Pular para o conteúdo principal

FANTASPORTO 2013 #1: THE LAST WILL AND TESTAMENT OF ROSALIND LEIGH (2012)

Infelizmente, mesmo estando na cidade onde acontece um dos principais festivais de cinema fantástico do mundo, não vou conseguir fazer uma cobertura decente, da maneira como gostaria, porque o mestrado tem sugado meu precioso tempo. Não vou deixar de ir a algumas sessões, mas queria poder participar mais.

Mas, vamos lá. O filme de estreia, ontem, foi o aguardado MAMA, apadrinhado pelo Guilermo Del Toro e dirigido por Andres Muschietti. Mas como vai estrear semana que vem aqui em Portugal, resolvi assistir outro no mesmo horário, em outro auditório. O filme assistido, então, foi THE LAST WILL AND TESTAMENT OF ROSALIND LEIGH (2012), uma produção canadense de um tal Rodrigo Gudiño.
A trama é sobre um sujeito que herda uma antiga casa de sua mãe recém falecida e resolve passar um tempo no local. A casa é toda enfeitada de artigos religiosos e aos poucos o rapaz descobre que no local era praticado um culto misterioso. Além disso, tudo indica que o espírito da mãe permanece vagando pelos cômodos e corredores e tenta fazer contato com o filho, usando objetos e criando situações que o faz investigar vários enigmas que a casa esconde... O problema é que a busca do protagonista se dá de maneira extremamente lenta, cansativa e pouca coisa de fato acontece para prender a atenção do espectador. E quando acontece, nunca é totalmente satisfatório, com poucas exceções. A duração é de 80 minutos, mas a impressão é de que tem duas horas. Filme muito chato para começar o FANTASPORTO. Não chega a valer nem pelo visual bizarro da decoração nem pela forma como o diretor passeia sua câmera tentando tirar proveito das imagens (na verdade, em alguns momentos isso chega até a contribuir para o clima de chatice). Conta ainda com a participação da Vanessa Redgrave.

Ainda bem que logo depois teve uma homenagem ao Michael Powell, com o clássico RED SHOES (1948), para desintoxicar...

Comentários

  1. Já pensava que não ias ao Fantas :) . Que tenhas tempo para mais uns relatos pelo melhor festival fantástico em Portugal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não podia deixar de ir! Viver no Porto e não comparecer no Fantasporto seria o mesmo que ir a Roma e não ver o Pap... Whoops!

      Excluir
    2. Também lá estive (já que não consegui bilhete para a sessão de Inauguração do Fantasporto, com "Mama").

      Não sou adepta de filmes de Terror mas Fantas é Fantas!

      De facto "The Last Will And Testament Of Rosalind Leigh" não é nada por aí além mas mesmo assim valeu a pena.

      Ontem vi "The Seasoning House" e hoje vou escolher as curtas-metragens do Cinanima.

      Uns dias em cheio!
      Bons filmes.

      http://numadeletra.com/24835.html

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …