Pular para o conteúdo principal

A CASA DOS MAUS ESPÍRITOS (House on Haunted Hill, 1959)

Dizem que quando Hitchcock observou os ganhos de bilheteria de um modesto filme B de terror chamado A CASA DOS MAUS ESPÍRITOS, de William Castle, decidiu que também precisava dirigir algo do gênero, com um orçamento discreto, só pra ver o que acontecia. Poucos anos depois, surgiu PSICOSE, celebrada produção que dispensa apresentações. Não tão lembrado assim, infelizmente, é o filme do Castle, um belíssimo exemplar de casa mal assombrada estrelado pelo grande ícone do horror, Vincent Price.

A trama é bem simples, possui o suficiente para criar situações atmosféricas de medo – pra época, claro – e divertir o público. Cinco pessoas com problemas financeiros são convidados a irem até uma velha mansão cuja fama de ser assombrada por espíritos é conhecida por todos. O misterioso anfitrião, Frederick Loren, vivido por Price, lhes oferece dez mil dólares para quem conseguir passar a noite na casa. Simples assim. Não demora muito para que coisas estranhas comecem a acontecer… E aí? Será que eles duram a noite toda?

No livro O Cemitério Perdido dos Filmes B, o meu amigo Cesar Almeida, em sua crítica sobre FORÇA DIABÓLICA (The Tingler, 1959, dirigido pelo mesmo indivíduo deste aqui), narra com precisão as famosas peripécias marketeiras do diretor e produtor William Castle para atrair público, como por exemplo, entregar apólices de seguro de vida caso o espectador morresse de medo durante a sessão do filme MACABRE (1958). No caso de A CASA DOS MAUS ESPÍRITOS, um esqueleto fosforecente sobrevoava a platéia em algumas cenas mais aterrorizantes.



Mas o mais importante de tudo é que além de ótimo marketeiro, Castle também sabia fazer cinema. Possuia uma noção muito aprimorada na construção de uma atmosfera de horror, na condução engenhosa do suspense e até mesmo nos truques gratuitos com a única intenção de assustar o público – da época – e que hoje não passam de ingênuas tentativas de provocar alguma reação aterradora, mas demonstram imensa criatividade e habilidade técnica. A fotografia em preto e branco também é excelente e vale a pena assistí-lo dessa maneira, e não na versão colorizada que o DVD nacional também traz.

E não poderia finalizar sem mencionar o show à parte de Vincent Price, cujas aparições em cena, sempre expressivo e imponente, lhe garantem o devido destaque.



Em 1999, saiu uma refilmagem de A CASA DOS MAUS ESPÍRITOS. Com um elenco formado por Geoffrey Rush, Jeffrey Combs, Chris Kattan, Peter Gallagher e a musa Framke Janssen, recebeu o título por aqui de A CASA DA COLINA. Nunca assisti… alguém sabe me dizer se presta?

Comentários

  1. Ronald, parabéns pela bela analise de um filme de que eu gosto muito!!
    Essa refilmagem é lixo puro não funciona de forma nenhuma. Belo desperdício de dinheiro!!!
    Valeu!!!!

    ResponderExcluir
  2. Eu que agradeço as palavras... assisti a este filme no início deste ano e fiquei lembrando de algumas cenas. É realmente ótimo. Agora, a refilmagem, já suspeitava que poderia ser ruim! Haha! Valeu!

    ResponderExcluir
  3. O remake é legalzinho, vale a pena uma olhada.

    ResponderExcluir
  4. Nunca vi a refilmagem, mas sou apaixonado pela Famke Janssen que sou até capaz de assistir para ve-la.

    ResponderExcluir
  5. O remake é o "A Casa da Colina"; o filme não tem nada de mais, vi quando ainda era bem moleque.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …