Pular para o conteúdo principal

OSCAR 2012

Pois é, não tenho escrito sobre filmes das últimas safras aqui no blog, mas não tenho deixado de conferir alguns exemplares. E pode parecer o contrário, mas eu gosto do Oscar, acompanho todo ano e me divirto bastante torcendo para os meus favoritos. É claro que não tive saco pra ver todos os indicados a melhor filme, mas aqui vão umas pequenas impressões daqueles que assisti e que concorrem ao prêmio principal da Academia:


O ARTISTA: Um dos grandes favoritos ao prêmio principal é este filme francês que virou hit internacional desde sua primeira apresentação no Festival de Cannes do ano passado e até então vem abocanhando vários prêmios importantes. Filmado em preto e branco e sem diálogos, O ARTISTA conta a história de um ator do cinema mudo cuja carreira vai ao fundo do poço com a transição para o cinema sonoro. É um trabalho muito bonito, com roteiro bem construido, bem dirigido, um protagonista interessante, vivido com muita inspiração pelo ator francês Jean Dujardin, que deve ser agraciado com o prêmio de melhor ator. Enfim, gosto do filme e recomendo, vale uma espiada. mas não morro de paixões como muita gente tem feito.

UPDATE DEPOIS DO OSCAR: Sem grandes surpresas, O ARTISTA levou mesmo o prêmio.

OS DESCENDENTES: Que filminho... Com trinta minutos eu já estava querendo jogar a toalha. É o típico produto de roteirista pretensioso se achando cool, mas, na verdade, beira o insuportável. Pessolamente, não há praticamente nada que me atraia por aqui. A única coisa que presta é a atuação do George Clooney, uma de suas melhores, ameaçando a estatueta do Dujardin de melhor ator. Só assisti porque o filme vem sendo cotado como um dos favoritos ao prêmio principal… mas seria um equívoco tremendo premiar OS DESCENDENTES na minha opinião.


A INVENÇÃO DE HUGO CABRET: É o meu favorito da noite! Talvez o melhor do Scorsese desde GANGUES DE NOVA YORK, e para os verdadeiros amantes do cinema há um sabor muito especial, um emocionante tributo à sétima arte, à necessidade de se preservar a história do cinema, à George Mèlies e aos diretores pioneiros, tudo isso narrado como uma simples aventura infantil que se revela um universo de homenagens que poucos diretores atuais teriam capacidade de realizar. E temos em cena o imortal conde Drác… ops, o Christopher Lee em uma bela participação. HUGO foi o que recebeu o maior número de indicações no Oscar deste ano, onze no total. É uma pena que não deve receber o prêmio de melhor filme (recebeu melhor diretor no Globo de Ouro, mas acho que não vai se repetir aqui) e vão compensar essa “falha” com vários prêmios técnicos os quais também merece (o som e o visual são espetáculos que impressionam). Mas, se eu tivesse esse poder, HUGO levaria brincando o prêmio da Academia de melhor filme!

MEIA-NOITE EM PARIS: Vocês sabem qual foi o último filme do Woody Allen a ser indicado ao Oscar de melhor filme? HANNAH E SUAS IRMÃS, de 1986. Então porque só agora um trabalho do sujeito volta a ser indicado ao prêmio máximo? Não é de agora que Woody voltou a fazer bons filmes, aliás, ele chegou mesmo a ter uma fase de vacas magras? Provável que alguns de seus exemplares dos anos 70 e 80 sejam superiores, mas Woody Allen nunca deixou de ser um diretor significativo e até hoje mantém uma média alta de filmes bons. E pra quem faz dois filmes por ano, isso é muita coisa. Dito isso, MEIA-NOITE EM PARIS é mais um ótimo filme do Woody, com um roteiro sublime, uma história mágica e elenco perfeito. Se ganhar, fico feliz!


A ÁRVORE DA VIDA: É um belíssimo trabalho do Terrence Malick, sobre… er, o que mesmo? A relação da energia cósmica do universo com a origem da vida? Bom, não importa, a tarefa de interpretar o complexo conteúdo filosófico da obra eu deixo para os críticos de verdade, mas é aquele tipo de filme que pode “falar” de várias maneiras diferentes para cada espectador. E da mesma maneira que alguns vão adorar, outros vão achar uma tremenda porcaria pretensiosa… Eu adorei! Visualmente expressivo, é uma experiência sensorial como poucas vezes tive dentro de uma sala de cinema nos últimos anos, um deleite para os olhos. Não seria nada mal se levasse a estatueta de melhor filme pra casa.

CAVALO DE GUERRA: Spielberg sabe ser mala quando quer e a forma como conta a historinha de um cavalo que passa por um bocado de situações durante a Primeira Guerra é de uma pieguice incomensurável! Tem umas cenas bonitas visualmente e até deve ter acertado em cheio certo público e crítica - teve gente que chegou a comparar Spielberg a John Ford. Façam-me o favor! CAVALO DE GUERRA não deve durar muito e daqui a pouco vai estar no limbo ao lado de AMISTAD e HOOK, os piores filmes do Spielberg. Onde foi parar o diretor de MUNIQUE?! A única cena que gostei: O encontro do soldado americano com o soldado alemão na zona de guerra. O resto pode ir pro lixo.

TÃO FORTE E TÃO PERTO; HISTÓRIAS CRUZADAS; O HOMEM QUE MUDOU O JOGO: Me desculpem se alguém gostou de algum desses aqui, mas eu escolhi boicotá-los. Nenhum deles me atraiu, mesmo sendo indicados ao prêmio máximo. Portanto, não os vi e provavelmente não os verei.

Comentários

  1. Concordo que Árvore da Vida é uma experiência sensorial, mas falando em pieguice aquele final na praia é tremendamente piegas, só para não pegar mais pesado. Acho que essa cena por si só (mais a parte dos dinossauros) afeta o resultado final do filme tremendamente. Ainda assim o assistiria novamente.

    ResponderExcluir
  2. Moneyball é um bom filme!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …