Pular para o conteúdo principal

NOITE DO SILÊNCIO, aka Silent Night, Deadly Night III: Better Watch Out! (1989)


No ano passado, no período do natal, estava planejando postar a série SILENT NIGHT DEADLY NIGHT inteira, mas só deu mesmo pra escrever sobre os dois primeiros filmes. Aqui estamos, então, um ano depois, beirado o natal, com SILENT NIGHT, DEADLY NIGHT III: BETTER WATCH OUT! (adoro este subtítulo!), que é dirigido por ninguém menos que Monte Hellman.

Sim, estou falando de um dos mestres do cinema independente americano, que nos brindou com obras de peso, como TWO-LANE BLACKTOP e GALO DE BRIGA, além de ser um dos responsáveis pela revolução do faroeste americano no fim dos anos 60, ao lado de Sam Peckinpah, Arthur Penn e outros. Se você é realmente fã do homem, significa que você deve ter visto todos esses filmes, inclusive este aqui, sem se importar que seja um slasher movie, terceira parte de SILENT NIGHT DEADLY NIGHT…


Agora, vamos ser francos. O fato de ser o Monte Hellman na direção não significa muita coisa por aqui. É um filmezinho chato que não tem muita ligação com o cinema do cara. Ok, os filmes dele são lentos, possuem o que chamamos de “ação reflexiva”, e funcionam perfeitamente em seus filmes mais pessoais… tentar fazer a mesma coisa aqui só resultou mesmo num terror sem criatividade e bem chatinho. Não estou dizendo que é um total desastre, mas é ruim até diante do segundo episódio, que apesar de fraco, diverte fácil.

Mas o que esperar de uma terceira parte de um slasher de segunda linha como SILENT NIGHT DEADLY NIGHT?

É o Monte Hellman, pô! É pra esperar muita coisa!!! Eu gosto de acreditar que alguém com o cacife do Hellman pode entrar no meio de uma série meia boca e fazer o melhor episódio, botar os demônios pra fora, foder com a mente do espectador! Digamos que o Ingmar Bergman por algum motivo, logo após FANNY & ALEXANDER, tivesse decidido fazer um dos episódios de SEXTA FEIRA 13, ou o Martin Scorsese optasse, no início dos anos 90, tomar o lugar do Albert Pyun em KICKBOXER IV… os fãs desses caras iam ficar malucos!!! Eu ia achar o máximo! É mais ou menos com esse pensamento que eu encarei SNDL III.


A história começa num hospital, onde um médico faz experiências com uma garota cega, que é uma espécie de vidente, colocando-a para dormir cheia de fios ligados à cabeça, tentando fazê-la ter algum contanto, através de sonhos, com o assassino do segundo filme, que está em coma no quarto ao lado… o mesmo que, pelo que eu me lembre, teve a cabeça decepada! A idéia que tiveram de trazê-lo de volta, e com vida, é absurda, mas é até interessante. O cara teve o cérebro reconstruido e agora tem uma cúpula de vidro no alto da cabeça que deixa seu cérebro à mostra, algo típico de um quadrinho ou desenho animado! Tá vendo? Nem tudo é de se jogar fora por aqui...

Bom, a cega e seu irmão, junto com a namorada, vão para a casa da vovó passar o natal, numa proprieddade afastada da cidade. Só que o assassino acordou do coma e voltou a fazer suas vítimas desenfreadamente. Uma conexão psíquica com a cega, sequelas das experiências, faz com que o sujeito vá atrás da moça, deixando um rastro de corpos pelo caminho até a casa isolada da vovó.

O problema é que quase todas as mortes são off screen, os diálogos são horrorosos e a estrutura do filme beira o amadorismo, assim como a noção de tempo, especialmente no último ato. Até sei apreciar alguns exemplares ruins assim, vocês sabem, especialmente quando dirigidos por certos diretores, notórios justamente pela falta de talento. Só não esperava algo do tipo realizado por um verdadeiro mestre.  A única cena que realmente presta é quando Laura Harring, em início de carreira, mostra os peitos dentro de uma banheira. Robert Culp, que vive o tenente encarregado no caso, também não decepciona. A protagonista é interpretada pela bela Samantha Scully, que lembra um pouco a Jennifer Connelly. Acho que as pessoas tinham uma tara por essas morenas de sobrancelhas grossas...

No fim das contas, é uma tentativa torta do Monte Hellman no universo do slasher que não deixo de sugerir ao menos uma espiada… talvez num bom dia alguém desfrute mais do que eu dessa chatice. Na época, o filme foi lançado direto no mercado de vídeo. Aqui no Brasil, recebeu o título de NOITE DO SILÊNCIO.

Comentários

  1. Gosto do Hellman, mas tem certo filmes dele que tenho receio de conferir, tipo aquele Iguana, a fera do mar. O titulo ao menos parece indicar uma bomba.

    ResponderExcluir
  2. Oi amigo, eu não quero ser chato, mas apenas corrigindo, no caso, não é a terceira sequência, e sim uma terceira parte ou ainda a segunda sequência do filme original. Em todo caso muito legal a sua crítica para o filme, são raras as pessoas que gostam desta cinessérie, nós que somos fãs desses filmes somos muitas vezes criticados e taxados de loucos por "amarmos" isso.

    Ricardo

    ResponderExcluir
  3. Ei! Não está sendo chato! Eu agradeço a correção... esses textos que eu escrevo no meio da noite, sem revisão, vem com um monte de erros... não são poucas as vezes que vou reler um texto antigo e reparo em um monte de erros. Abraço!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …