Pular para o conteúdo principal

VINCENT PRICE na tela grande

Uma pequena pausa nos textos de recomendações dos amigos leitores, mas sem fugir do tema do mês do horror aqui no blog, até porque eu não vou conseguir escrever sobre todas as sugestões nestes últimos dias do mês. Mas não se preocupem, enquanto este espaço existir, vou continuar considerando as dicas e de vez em quando posto algumas. Mas aconteceu algo bem legal na minha cidade esta semana, um tanto inédito, uma pequena mostra que serviu pra dar esperança a este pobre capixaba amante de cinema. O SESC trouxe a Vitória alguns filmes da mostra nacional que comemora o centenário de Vincet Price e fui conferir duas pérolas na telona. Por falta de tempo, teria ido a semana inteira, mas valeu a pena assistir a estes:

O SOLAR MALDITO (1960)

Simplesmente um dos filmes de horror mais importantes da história do cinema. Pode até não ser o meu favorito da parceria entre Price e o diretor Roger Corman, mas é um belíssimo exemplar e foi a primeira adaptação da obra de Edgar Allan Poe realizada pela dupla, dando início a uma série de fitas notáveis durante a década de 1960.

Embora Corman consiga se aventurar com precisão no universo e espírito atmosférico de Poe, O SOLAR MALDITO não é exatamente fiel ao texto, o que seria meio complicado de fazer. A trama se resume na chegada de Winthrop (Mark Damon) na propriedade de Roderick Usher (Vincent Price) cuja irmã, Madeline, está destinada a ser sua noiva. O problema é que Roderick é rebugento pra cacete, completamente obcecado por uma suposta maldição que percorre a linhagem dos Ushers e faz de tudo para atrapalhar os dois pombinhos. Inclusive, consegue convencer a sua irmã de que realmente suas vidas estão execradas.

O filme consagrou o estilo genial e singular de direção de Roger Corman. Econômico, trabalhando com orçamentos apertados, ao mesmo tempo charmoso e sofisticado, fazendo uso das cores com inteligência, criando atmosferas pertubadoras, se virando com todo tipo de recurso que conseguia e com muita criatividade. E, por fim, temos Vincent Price em mais um espetacular desempenho. Não só neste aqui, mas toda a sua participação no ciclo significou a sua consagração como um dos gigantes do gênero! Como Roderick Usher, sua atuação só perde para Prospero, o maléfico príncipe de A ORGIA DA MORTE, na minha opinião.

MADHOUSE (1974)

Este aqui foi uma descoberta e tanto. Nunca tinha visto e nem lido muito a respeito. MADHOUSE já foi lançado no Brasil com o título A CASA DO TERROR, embora não haja nenhuma “casa do terror” na trama, mas é de fácil assimilação ao gênero e dá um ar de picaretagem pra chamar público. Eu gosto mesmo é do outro título dado ao filme aqui no Brasil: DR. MORTE! É assim que foi lançado em DVD e é este o nome do personagem de Vincent Price no filme (dentro do filme), que é uma autêntica homenagem à sua própria carreira como ícone do horror!

A história, em suma, é sobre um velho astro americano de filmes de horror (Price) contratado por um produtor da TV britânica para ressucitar seu célebre personagem, o tal Dr. Morte, num seriado para a televisão inglesa. Misteriosamente, o mundo da fantasia começa a se misturar com a realidade, numa trama bizarra de violentos assassinatos. Na verdade, o enredo é bem bobinho e não tarda para que o espectador mate a charada de uma vez, que é bastante óbvia, por sinal. A direção, do veterano Jim Clark, não preza por originalidade, mas é segura e se inspira em elementos do giallo, especialmente nas cenas de suspense e morte.

Mas o que realmente faz a fita valer a pena é a magnífica atuação de Vincent Price, uma espécie de caricatura de si mesmo, mais expressivo do que nunca. E quando Price contracena com Peter Cushing, não tem pra ninguém! A sequência final, apesar de totalmente ilógica, tem um puta clima surtado, digno de um Mário Bava. Os créditos iniciais ainda prometem “participações especiais” de Basil Rathbone e Boris Karloff. Eles realmente aparecem, só que contracenando com Price em antigos filmes, como O CORVO, por exemplo, que são projetados como se fossem filmes do Dr. Morte.

Enfim, MADHOUSE era um deliciso horror à moda antiga já nos anos setenta e até hoje mantém essa impressão. Foi realmente um prazer ter assistido pela primeira vez na tela grande, mesmo com projeção vagabunda de DVD. Valeu a pena e tomara que não seja o último evento do gênero por aqui.

Comentários

  1. confesso que conheço muito pouco dos filmes com o vicent price. acho que são boas dicas pra começar.

    ResponderExcluir
  2. legal que ainda rolou a noite do chupacabras no sábado pra finalizar a semana de maneira fodástica.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …