Pular para o conteúdo principal

NO CODE OF CONDUCT (1998)

Não sei porque eu fui perder meu tempo com este NO CODE OF CONDUCT, filme policial cheio de equívocos e bem chato. Pensando bem, eu sei sim… qualquer fã de b movie que se preze arregalaria o olho vendo Charlie Sheen, Martin Sheen, Mark Dacascos, Paul Gleason e Joe Estevez reunidos num mesmo filme. Mas quebrei a cara achando que um elenco desses daria certo num roteiro vagabundo…

Charlie Sheen é um policial medíocre tentando provar o seu valor, sua mulher o despreza e seu pai (Martin Sheen) – e também o seu chefe na polícia – não gostaria que ele tivesse o mesmo destino dele, ou seja, que virasse um solitário policial de merda. Em uma noite, enquanto Charlie e seu parceiro, Dacascos, estão fazendo uma tocaia, acabam interferindo na investigação de seu pai contra uma gangue de traficantes de drogas, quando um dos membros pega uma policial disfarçada de prostituta. Agora que o caso das drogas escancarou, Charlie vê uma chance de mostrar que é um bom policial tentando resolver o caso, que é bem mais intricado que parece e envolve superiores corruptos dentro da força policial.

Sim, apesar de genérico, até parece uma trama interessante, mas na verdade é uma porcaria. A forma como se constrói os problemas da relação entre Sheen e sua esposa é de uma pobreza dramática impressionante. E o pior é que o roteiro insiste nessa subtrama, toma um tempo danado do filme e só serve pra encher o saco do espectador. É constrangedor.

Escrever uma história ruim, com diálogos ridículos é até perdoável quando somos recompensados com boas sequências de ação, violência exagerada ou gostosas de topless… Ok, não deixa de ter por aqui umas ceninhas de ação bacanas, mas é pouco. Um talento das artes marciais como Mark Dacascos sendo desperdiçado como um mero parceiro coadjuvante chega a ser ridículo. Por que não o colocaram pra dar uns chutes na cara de uns vagabundos numa briga de bar, por exemplo? É clichê, mas sempre funciona! Não há uma cena de luta durante todo o filme…

Charlie e Martin Sheen até tentam aproveitar seus papéis, mas o caso do primeiro é muito estranho, porque a sua situação dramática se desenrola de maneira tão idiota que fica complicado até uma aproximação com o personagem. Seu pai é um grande ator e mesmo numa furada como esta se sai bem, na medida do possível. Mas quem realmente vale a pena destacar é Joe Estevez, sempre ótimo. O problema é que ele aparece pouquíssimo e justamente numa cena onde plagiam na cara dura a cena da droga escondida no carro de OPERAÇÃO FRANÇA… bizarro. Assim fica difícil.

Foi lançado em VHS aqui no Brasil como CÓDIGO DE TRAIÇÃO.

Comentários

  1. hehehehe nunca imaginei dacascos e sheen juntos em um filme. Ronald, falando em dacascos que tal um texto sobre o filme esporte sangrento que passou umas 1000 vezes no sbt?

    ResponderExcluir
  2. Anotado. Estou precisando mesmo colocar mais Dacascos no blog.

    ResponderExcluir
  3. Esse filme é mesmo bem fraco. Notou que ele foi dirigido pelo Bret Michaels?? Com isso, a Nu Image cometeu o mesmo erro que a PM, ao deixar gente do calibre de Master P se aventurar a "dirigir" filmes. Até o Lorenzo Lamas dirigiu filme pra PM... hehehe

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …