Pular para o conteúdo principal

I SAW THE DEVIL (2010)

Demorei tanto pra escrever sobre este filme, que acabei assistindo de novo para relembrar alguns detalhes. Mas, valeu a pena, já que se trata do meu filme favorito de 2011 até o momento! É também o último trabalho de Ji-Woon Kim, diretor do magistral A BITTERSWEET LIFE, um dos meus prediletos deste século, e seu astro, Byung-hun Lee, repete a parceria com o diretor aqui, uma combinação que vem dando certo. O próximo filme de Kim, parece que será produzido sob a batuta de um estúdio americano. Se derem total liberdade ao sujeito, o que é difícil, pode até sair algumas belezinhas para o nosso lado ocidental… mas antes que isso aconteça, vamos com o coreano I SAW THE DEVIL!

O filme é um puta soco no estômago de quem acha que no cinema de ação, a vingança é o melhor remédio. Bom, talvez seja, já que garante a diversão do espectador ávido por banhos de sangue, mas quem tem o mínimo de sensibilidade, encontra em I SAW THE DEVIL uma realidade um pouco diferente dos típicos filmes mergulhados sob o mote da vingança.

Na verdade, é mais um filme de horror com ação, mas isso não importa tanto pra mim. E é óbvio que para mostrar o efeito da "mensagem" que o filme tem sobre quem o assiste, já rende doses cavalares de sequências extremamente viscerais, independente de gênero, mas com vários toques especiais, cortesia do olhar poético, brutal e pessimista do diretor sobre o tema e, claro, no aspecto técnico e visual, é uma autêntica aula de cinema.

Tudo é lindamente filmado, de uma precisão impressionante na forma como utiliza de vários recursos para deixar tudo mais impactante, especialmente nas cenas de ação e porradaria mano a mano que pontuam o filme, sem precisar chacoalhar a câmera ou editar frenéticamente a cena. É tudo na base da decupagem e boa encenação, pura e simples.

Basicamente, sem entregar demais, já que isso pode estragar a diversão, a trama segue dois sujeitos, interpretados por Byung-hun Lee e Min-sik Choi (mais conhecido por ser o protagonista do sensacional OLDBOY), num violentíssimo jogo de gato e rato que deixa profundas marcas, físicas e psicológicas, em cada um, sedentos por vingança. E as suas transformações que ocorrem no decorrer dessa jornada ao inferno elevam o filme a um grau de subversão que incomoda, e me deixou destruído. Qual o limite onde o suposto herói pode ir antes de se transformar no monstro que ele persegue? É mais ou menos por esse caminho que o filme te leva e acaba com você!

I SAW THE DEVIL é longo, poderia ser um pouquinho enxuto e o roteiro, em alguns momentos, força a barra para facilitar certos entraves da trama, mas nada que possa atrapalhar a experiência que é esta belezinha monumental. Espécie rara nos nossos dias, talvez umas duas ou três vezes por temporada temos algo deste nível… é muito pouco para o tanto de filme que produzem a cada ano.

Comentários

  1. Belíssimo filme e ótima crítica Ronald. Já assisti ao filme 2 vezes e estou pronto para ver mais 10 eheheheeh. Acho ele pau a pau com A Bittersweet Life, senão melhor. Claro dos filmes que eu vi até agora dirigidos por Kim Ji-Woon. Destaque também para ótimo faroeste The Good, The Bad, The Weird. Vlwww.

    ResponderExcluir
  2. Esse sim é um filmaço, inclusive eu já havia escrito uma crítica sobre ele.

    http://www.vaiassistindoterror.com/2011/03/i-saw-devil-akmareul-boatda.html

    A maior forçada de barra foi a conclusão, mas nem por isso o filme se estraga. Um pequeno deslize de maneira alguma estragou a minha diversão (se é que dá pra chamar um filme assim de diversão).
    A duração também não me incomodou muito.
    O melhor mesmo foi Min-sik Choi, que sujeito filho da puta seu personagem, desde o Hannibal Lecter do Silêncio dos Inocentes eu não via um psicopata tão convincente.

    ResponderExcluir
  3. Escroto esse daí parece ser. Quando os japas querem escrotidão, é isso uq vai ser... é só ver Ichi - O Assassino.

    ResponderExcluir
  4. Ops, esqueci de colocar no texto, mas lembrando que o filme é coreano! hehe

    ResponderExcluir
  5. Atualizei o texto com essa informação.

    ResponderExcluir
  6. Kim Ji-Woon pra mim é um dos poucos intocáveis do cinema hoje. Ele passeia por diversos gêneros e sub-gêneros e o resultado é sempre sensacional.

    Bittersweet Life é o meu filme de cabeceira nº1. E I Saw the Devil também ocupa lugar privilegiado na estante. Filmaço!

    To seco pra ver o estrago que ele vai fazer com The Last Stand...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …