Pular para o conteúdo principal

THE HARD CORPS (2006)


aka FORÇA DE PROTEÇÃO
direção: Shledon Lettich
roteiro: Sheldon Lettich, George Saunders

Este aqui é um daqueles produtos da fase negra do Van Damme, quando o sujeito aceitava fazer qualquer porcaria que vinha pela frente pra pegar um cheque e pagar as contas no fim do mês. Não tenho certeza se nesta época ele ainda estava envolvido com drogas… se bem que, em se tratando de cinema, estava envolvido sim, já que realizou esta droga aqui.

O baixinho belga é Philip Sauvage, um ex-soldado de elite das tropas americanas no Oriente Médio que acaba virando guarda costas de um famoso boxeador/homem de negócios, Wayne Barclay, o qual possui um velho inimigo, um ex-rapper mafioso que saiu da cadeia e planeja vingança.


Para Van Damme, viver um personagem traumatizado pós-guerra e que perdeu totalmente suas emoções deve ser tão fácil quanto interpretar o Dr. Spock. Em materia de emoções nulas, Van Damme é o cara! Mas aceitar o trabalho de guarda costa e treinar uma equipe para cuidar da situação, leva o nosso angustiado protagonista a reconectar-se com alguns sentimentos adormecidos, especialmente quando se trata da irmã de Wayne, Tamara, na pele de Vivica A. Fox. Fica até bizarro algumas cenas pintando um clima entre aquela morena exuberante com o baixinho...

Mas o problema mesmo é que THE HARD CORPS fica estranho quando você percebe que já passou mais de uma hora de duração e só tivemos uma ceninha de ação e das bem vagabundas, muito mal dirigida e sem qualquer graça. O filme se concentra mais no drama do protagonista e sua relação com os outros personagens, além de perder muito do nosso precioso tempo com outras figuras que não tem o mínimo interesse, com exceção dos vilões, que estão involuntariamente engraçados! Van Damme até que não está mal, mas com um roteiro deste calibre, fica difícil…


Outro ponto decepcionante é que THE HARD CORPS é a reunião do ator com Sheldon Lettich, diretor que fez alguns filmes bem bacanas do belga no início dos anos 90, como LEÃO BRANCO e DUPLO IMPACTO, e nem isso foi capaz de dar ao filme alguma dignidade. Percebe-se claramente que se trata de uma produção de baixíssimo orçamento, mas cenas de luta e tiroteios extremamente mal filmadas não depende tanto de grana e sim de talento, algo que Lettich parece ter esquecido em casa. O filme ainda tenta ter um clima e visual de “hip hop black gangster movie” e falha feio nesse sentido. Infelizmente, é um exemplar do Van Damme que eu não recomendo…

Comentários

  1. Vai rolar uma cinebiografia completa do Van Damme? Tomara que sim...

    ResponderExcluir
  2. Onde, aqui no Dementia? hehe
    Ah, com certeza vou escrever sobre todos os filmes dele... se vai ser em sequencia ou pingado, igual este aqui, aí já não sei. :D

    ResponderExcluir
  3. kra, eu adoraria um especial com os filmes do anão belga, de uns tempos pra cá fui acometido por uma mórbida nostalgia pelos filmes do cara!

    ResponderExcluir
  4. Ah, uma hora dessas eu faço sim! Estou no meio do especial Castellari, que aliás preciso atualizar, Mas quem sabe naõ é o próximo?! :)

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …