18.4.11

AMERICAN CYBORG: STEEL WARRIOR (1993)

Este aqui serve como um adendo à peregrinação da filmografia do Isaac Florentine que eu tenho feito aqui no blog, já que se trata do único filme em que ele ficou responsável pelas coreografias nas cenas de luta, mas não comandou a bagaça como diretor. De qualquer forma, AMERICAN CYBORG: STEEL WARRIOR teria um post reservado aqui no DEMENTIA 13 a qualquer momento, pois é um dos meus filmes B pós-apocalípticos favoritos dos anos 90. Aliás, é uma produção até tardia dentro do subgênero, que teve sua maior concentração de filmes nos anos 80 (embora haja muita coisa nos 90), mas o espírito oitentista se faz bem presente nesta obra, que é uma das últimas produções da famigerada dupla Golan/Globus.

A direção é por conta de Boaz Davidson, que realizou muita coisa nas décadas de 80 e 90, mas hoje é mais conhecido como produtor de filmes como OS MERCENÁRIOS, do Stallone. Até que o trabalho de direção em AMERICAN CYBORG é bem legal, com uns movimentos de câmera interessantes e alguns planos criativos pro tipo de filme que temos aqui. Davidson utiliza muito bem da atmosfera, luzes, sombras, cenários (fábricas abandonadas e túneis escuros) e personagens bizarros do universo pós-apocalíptico, como canibais radioativos, um ciborgue indestrutível de bigode que luta kung fu e, claro, Joe Lara, como o protagonista solitário que se transforma num herói em meio a esse ambiente desolador.

Reparem só a trama! Por uma coincidência do destino, Lara acaba ajudando a única mulher grávida do planeta (Nicole Hansen, na verdade, o feto se encontra dentro de um jarro na mochila dela!!!) a atravessar cenários devastados cheios de perigos até que ela chegue ao litoral, onde um navio europeu, com cientistas, espera para levá-la junto com o "jarro" com a esperança de tentar tranformar o mundo em um lugar melhor. Se veio à mente FILHOS DA ESPERANÇA… bom, eu não os culpo, mas garanto que esse aqui, pelo menos, tem um ciborgue muito louco pra atrapalhar a vida do casal!!!


E o filme tem um ritmo frenético, com ação praticamente constante, alta contagem de corpos, Joe Lara e o cyborg quebrando o pau no mano a mano diversas vezes durante a jornada e etc. Quem interpreta o robô bigodudo é um sujeito chamado John Saint Ryan, que possui grande habilidade, chutes altos, e com a coreografia do Florentine rende sequências de alta qualidade. A cena em que Joe Lara sozinho enfrenta um exército de canibais radioativos também é um primor!

Eu não faço idéia do orçamento de produção, mas AMERICAN CYBORG tem um estilo visual bem melhor do que alguns exemplares do gênero feito na época. O uso das locações e os detalhes de construção de cenários são fantásticos e temos ótimos efeitos especiais que funcionam uma maravilha. Tudo à moda antiga, com criatividade, sem precisar apelar para CGI (até porque naquela época não tínhamos o que vemos hoje).

O filme chegou a ser lançado aqui no Brasil nos bons tempos do VHS com o título AMERICAN CYBORG - O EXTERMINADOR DE AÇO. É uma belezinha mesmo e nem preciso dizer que é obrigatório, não é?

8 comentários:

  1. Rapaz, eu adorava esse filme! Preciso rever. Pegou no Cinemagedon?

    ResponderExcluir
  2. Cara eu via esse filme em vhs direto na locadora da minha cidade, mas eu nunca loquei! como eu me arrependo.

    ResponderExcluir
  3. Luiz, eu acho que não precisei recorrer ao CG pra pegar esse filme... se não me engano, ele é fácil de encontrar.

    Vitor, eu mesmo nunca cheguei a pegar na locadora... lebro de ter visto passando na TV mesmo, numa madrugada dos anos noventa.

    ResponderExcluir
  4. Esse é um clássico do tempo em que o Domingo Maior, na Globo, passava coisas boas. Sempre me pergunto se o Joe Lara ainda é vivo!

    Cultura na web:
    http://culturaexmachina.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. É vivo sim... só que há quase 10 anos não faz mais filmes.

    ResponderExcluir
  6. Eu lembro dos filmes do Joe Lara. Tem outro filme dele que também acho excelente, que é o Fronteira de Aço. Alguém aqui sabe onde encontro para download?

    ResponderExcluir
  7. Filme que marcou meu início nessa paixão por filmes, como eu queria reassistir após anos pra relembrar as tardes com minha mãe vendo TV...

    ResponderExcluir