Pular para o conteúdo principal

THE BAD LIEUTENANT: PORT OF CALL - NEW ORLEANS (2009), de Werner Herzog

É, a pirraça que o Ferrara fez quando o Herzog anunciou seu novo filme foi mesmo desnecessária. Mas quem ia adivinhar que o filme do alemão seria tão diferente da versão do diretor de O REI DE NOVA YORK? Ok, talvez muita gente tivesse adivinhado; o próprio Herzog afirmou que nunca havia assistido ao original, então o novo BAD LIEUTENANT não deveria mesmo ser encarado como um remake ou algo parecido. O único ponto em comum entre os dois filmes é o protagonista, um tenente da polícia corrupto, viciado em drogas, em jogos, etc, e as semelhanças acabam aqui.

Sendo a disparidade entre os dois filmes tão evidente, não é justo fazer comparações entre as versões, mas como filmes policiais, ainda prefiro o do Ferrara, uma das experiências mais deprimentes que já tive com um filme, aquela atmosfera e a atuação do Keitel são elementos difíceis de igualar. Ah, e aquele desfecho niilista! Demais!

Mas quero deixar bem claro que Herzog não faz feio; não vamos esquecer que é o HERZOG, pô! O sujeito que dirigiu AGUIRRE, FITZCARRALDO, NOSFERATU e tantos outros clássicos do cinema alemão. Não é de se surpreender que tenha feito um filmaço com este material.

Seu retrato do personagem central é extremo, politicamente incorreto, construido no limite, à beira de um ataque de nervos numa New Orleans suja e devastada pelo furacão Katrina. Deve-se tirar também o chapéu para Nicholas Cage, com uma performance de respeito, compondo um protagonista nos mínimos detalhes. É sua melhor atuação desde... er, quando mesmo? Enfim, o que importa é que o homem está genial e protagoniza um dos momentos mais bad ass do ano, na cena em que ele tenta tirar informações de duas velhinhas!!! Grande Cage...

BAD LIEUTENANT ainda possui alguns coadjuvantes de peso, como Eva Mendes, que demonstra porque os grandes diretores sempre querem tê-la no elenco (e não é somente pela beleza), Val Kilmer, praticamente numa ponta com diálogos, mas o faz com competência, e Brad Douriff, também aparece pouco, mas é bem aproveitado.

Portanto, para quem ainda estava com o pé atrás com este novo trabalho do alemão maluco só por causa da ligação com o filme do Ferrara, pode conferir sem medo, porque além de ser um filmaço policial bem acima da média atual, consegue ter substância suficiente para trabalhar com autoridade a dramaticidade e profundidade de seu protagonista, que é a verdadeira pretensão do enredo. E Herzog tem atitude e moral pra isso! Está em crédito comigo e totalmente perdoado pelos 10 minutos finais de O SOBREVIVENTE...

Comentários

  1. Um ótimo filme. Fui ver com a expectativa lá embaixo e me surpreendi. Não gostei muito do final, mas a viajadas do personagem do Cage, a forma como ele ri toda vez que menciona o apelido de um dos suspeitos e a já clássica cena das velhinhas fazem de Vício Frenético uma das grandes surpresas deste ano.

    ResponderExcluir
  2. Pelo trailer ja dava pra ver q seria diferente.

    Bah, a pirraça foi legalzona.
    Tinha q ter feito mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Herzog é um dos meus heróis cara... eu gostei do Sobrevivente rsrs, mesmo dos 10 minutos finais. Esse eu quero ver no cinema, nem vou me atrever a baixar antes de ver na tela grande.

    ResponderExcluir
  4. FELIPE, a atuação do Cage foi uma das melhores que vi este ano! Oscar pra ele!!!

    KEVIN, foi legal mesmo, bate boca entre diretores é muito engraçado! Mas foi desnecessário no sentido de que os filmes não tem nada a ver um com o outro.

    ALEXANDRE, Aqueles 10 minutos finais de O Sobrevivente está mais para um Michael Bay... mas o filme é excelente de qualquer maneira!

    ResponderExcluir
  5. Na contagem regressiva pra assistir a mais essa pedrada do Herzog!!!

    ResponderExcluir
  6. O negocio rolou quando o filme nem tava pronto, ou acho q iam filmar ainda não??

    Depois que ele saiu o cara nem reclamou mais.

    ResponderExcluir
  7. Iam filmar ainda quando Ferrara despirocou (com uma certa razão, eu faria o mesmo no lugar dele hauha).

    Muito bom ler mais essa opinião positiva e a atenção dada a Dourif, claro.

    ResponderExcluir
  8. Ainda bem que li o que li.

    ResponderExcluir
  9. Leandro Caraça14/12/2009 15:26

    Considero o filme um remake sim.

    E gosto dos 10 minutos finais de "O Sobrevivente". É outra das piadas do Herzog.

    ResponderExcluir
  10. Eu não vi "Rescue dawn" nem o filme original, mas eu vou dizer uma coisa: eu ADOREI o final. Adorei com força.
    Agora, eu curto o "Até os anões começam pequeno", do Herzog. Muito louco!

    ResponderExcluir
  11. É um remake sim, Leandro, realmente é essa a intenção do produtor, só não acho que deva ser encarado como um...

    ResponderExcluir
  12. Quando esse filme foi anunciado, queria vomitar. E na cara do Herzog ainda. E olha q eu não tenho essa frescura com remakes como uns e outros tem. Mas a cada passo dele, fui me interessando mais e mais. E agora to louco pra ver. Ainda mais por não se parecer tanto com o original, apesar de ter semelhanças óbvias e ser sim, de fato, um remake.

    Só acho que os melhores remakes são feitos de produções originais merdonas como Scorsese e Cronenberg fizeram.

    ResponderExcluir
  13. Os 10 min finais de Red Dawn o impede de ser uma obra-prima, não adianta.

    ResponderExcluir
  14. E o pior é que O Sobrevivente não carece de final... bastava eliminar aqueles 10 minutos e teriamos uma obra prima! Mas é um filmaço, sem dúvida!

    ResponderExcluir
  15. Concordo com tudo. E o cage está genial. O papel da vida dele.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …