22.12.09

AVATAR (2009), de James Cameron

Um monte de gente já disse tudo que havia para dizer sobre AVATAR, novo filme do James Cameron, que desde TITANIC (97) estava sem colocar a mão na massa.

Mas gostei do filme. Como uma boa aventura, um bom entretenimento, a coisa funciona tranquilamente. Mas é só. Quem esperava o velho Cameron da época de O EXTERMINADOR DO FUTURO II vai se sentir frustrado, porque a atenção do diretor aqui é somente no visual, nos efeitos especiais, em como utilizar os recursos do 3D, etc, deixando de lado a preocupação na forma, na estrutura, ritmo, conteúdo, personagens...

Mas nada disso faz muita diferença quando a pretensão do diretor era mesmo submeter o seu público a uma experiência visual impressionante e sem precedentes. De fato, Cameron cumpre o que prometeu com a ajuda da tecnologia ultra moderna. A concepção visual do universo desenvolvido por Cameron e seus artistas já pode ser considerada um marco na história dos efeitos especiais.

Então o negócio é sentar e relaxar, embarcar na aventurazinha cuja diversão é garantida. Não que o enredo seja ruim, mas muita gente tem reclamado da ingenuidade e de como Cameron perdeu a mão para certos detalhes que o diferenciava dos outros diretores. Realmente, AVATAR é repleto de clichês que poderiam ser evitados, como discursos encorajadores e vários outros momentos piegas em que o herói está em seu avatar.

Aliás, meus olhos sentiam um alívio visual quando o protagonista acordava e os atores em carne e osso podiam ser vistos (porque tanta masturbação sensorial me cansou um pouco), principalmente com o Stephen Lang em cena, de longe a MELHOR coisa do filme. Se existe algo que James Cameron comprova que não perdeu foi sua capacidade em construir vilões. Lang está perfeito em todos os sentidos. Tem presença e sabe atuar. Já havia roubado a cena em INIMIGOS PÚBLICOS e aqui o faz com maestria novamente. Incrível como esse sujeito não havia se destacado antes. 2009 é o ano de Stephen Lang! Está lançada a minha campanha!

Enfim, AVATAR não é a maior maravilha do cinema de todos os tempos (como muita gente parecia estar esperando) e está bem longe disso, mas possui seus méritos e merece ser visto como mais uma ótima diversão.

14 comentários:

  1. Muita gente está metendo o pau no filme, pelo jeito não deve ser tão bom como se esperava. mas verei nesse sábado, ainda esperançoso de que possa adorá-lo.

    ResponderExcluir
  2. Meu amigo, vi hoje e concordo com você, é um bom entretenimento. Acho uma bobagem essas reclamações que estão fazendo. Discursos encorajadores? Mas isso vem desde o primeiro Exterminador! Claro, ele usa tecnologia de ponta para contar uma estória numa estrutura que lembra algum faroeste clássico. Durante a projeção lembrei muito de "Um Homem Chamado Cavalo". E também concordo sobre o Stephen Lang, o cara consegue dar uma dimensão trágica pra um personagem caricatural.

    Abraço!

    ResponderExcluir
  3. Pelo contrário, vi mais gente falando bem do filme do que metendo o pau - e quem mete o pau normalmente procura pêlo em ovo, quer ver um filme a lá Kubrick e não vê que o Cameron bebeu das mesmas fontes do Lucas. Aliás, são os mesmos que metem pau em Star Wars e outras diversões escapistas.
    O Joseph Campbell deve estar sorrindo à toa lá pra onde ele foi depois que morreu... toda a mitologia básica moderna já foi bem compreendida pelos dois.
    E o melhor, senti algo muito parecido do que havia sentido no começo dos anos 80 quando vi Star wars no cinema...
    Grande Cameron, valeu por mais essa, porque o Lucas fudeu com tudo o que ele tinha criado

    ResponderExcluir
  4. Bah, to louco pra vir aqui dizer q achei uma obra-prima sem precendentes pra contrariar todo mundo.

    Aposto q pelo o menos é bem melhor q aquela coisa sem graça q foi Distrito 9...

    ResponderExcluir
  5. Eu não estava esperando um filme do Kubrick, não. Apenas algo mais Manoel de Oliveira, com algumas doses de Abbas. Cadê os planos reflexivos que lhe fizeram famoso, Cameron?

    ResponderExcluir
  6. Davi, se tiver alguma coisa que chegue perto dos planos reflexivos que o Cameron imprimia antigamente, com certeza estão nas cenas com os atores em carne e osso.

    E Daniel, tomara que você goste muito mesmo do filme. Eu gostei, mas do meu jeito... diversão das boas! :)

    ResponderExcluir
  7. Leandro Caraça23/12/09 11:27

    Vamos combinar assim. Todo e qualquer filme que não for o melhor da década, ou não estiver entre os 5 melhores do ano, deverá ser malhado sem piedade por gente de má vontade.

    ResponderExcluir
  8. Não tenho o mínimo interesse em ver esse filme. Sério.

    ResponderExcluir
  9. Nada como ver pra poder falar rsrs.

    A melhor diversão que tive numa sala de cinema esse ano. Realmente me diverti, realmente funcionou como aventura, como blockbuster de boa qualidade.

    Se eu quisesse ter visto conteúdo, ficava em casa vendo Vicio do Herzog (F-I-L-M-A-Ç-O), ou Hurt Locker (F-I-L-M-A-Ç-O-2) rsrs

    ResponderExcluir
  10. Leandro Caraça24/12/09 17:10

    >Apenas algo mais Manoel de Oliveira, com algumas doses de Abbas.

    Isso é que é procurar pêlo em ovo. Como se os filmes do Harryhousen fossem verdadeiros tratados sociais ou "Tron" tivesse sido aclamado como uma revolução na forma de ver e sentir a realidade que nos cerca.

    ResponderExcluir
  11. Leandro Caraça25/12/09 02:18

    Nazista era meu bisavô. Eu sou um déspota esclarecido.

    ResponderExcluir
  12. LoL

    vUxXxE EH EngrAssAdO!

    ResponderExcluir
  13. Putz! Caguei no miguxês pontuando. Merda.

    ResponderExcluir