7.11.12

SOLDADO UNIVERSAL 4: JUÍZO FINAL (Universal Soldier 4: Day of Reckoning, 2012)


O terceiro filme da série SOLDADO UNIVERSAL foi uma grata surpresa pela qualidade das sequências de ação, mesmo sendo uma produção sem grandes recursos. Só que este ano, fiquei tremendamente decepcionado com um trabalho do mesmo diretor, John Hyams e o seu DRAGON EYES, que até chegou a me deixar desconfiado da capacidade do cara para este aqui. Como se REGENERATION tivesse sido uma puta sorte. Muito bem, devidamente conferido, eu solto agora minhas impressões: O filme é do caralho e eu não sei o que esse John Hyams toma no café da manhã, mas deveria estar muito surtado quando inventou de fazer SOLDADO UNIVERSAL 4: DAY OF RECKONING.


Pra começar, o filme é deveras bizarro, totalmente maluco, e já deu pra notar que a estranheza narrativa de alguns momentos não vai agradar a todos. O trailer meio que anunciava isso. Mas eu embarquei fácil nessa viagem alucinante que o Hyams propõe, um mergulho surreal ao universo dos SOLDADOS UNIVERSAIS, que em determinados instantes parecem dirigidos pelo Gaspar Noé (de IRREVERSÍVEL), com visuais carregados, luzes piscando e a trilha eletrônica bombando. Só sei que fui presenteado com um baita filme de ação e pancadaria completamente surtado e violentíssimo, que o amigo Kurt cunhou perfeitamente como um autêntico “porrada arthouse”!


Não vou ficar descrevendo a trama. Digo apenas que o Scott Adkins é o protagonista dessa vez, mandando bem pra cacete. E já que estamos falando dos atores, Dolph Lundgren e Jean Claude Van Damme, os astros do filme original lá de 92, agora são coadjuvantes de luxo e suas pequenas participações contribuem muito para o espetáculo. Andrei Arlovski, o vilão do terceiro filme, também dá as caras. Há um tiroteio absurdamente subversivo num bordel no qual o Arlovski entra com uma escopeta distribuindo chumbo pra cima dos soldados zumbis. O troço é BRUTAL! Arlovski, na verdade, protagoniza com o Adkins as melhores sequências de ação de SOLDADO UNIVERSAL 4, como uma perseguição de carros frenética, melhor que 90% das cenas de car chase que eu vejo no cinema atual. E no quesito trocação, temos para todos os gostos: Arlovski vs Dolph; Arlovski vs Adkins; Adkins vs Dolph; Adkins vs Van Damme. Só faltou Van Damme vs Dolph, mas eles já tiveram a oportunidade de lutar no filme anterior.


As cenas de pancadaria são de encher os olhos, especialmente a que acontece na loja de artigos esportivos, entre Adkins e Arlovski, maravilhosamente bem encenada, com os movimentos e golpes que dão a impressão de que realmente esmurraram a cara um do outro durante as filmagens, mas com estilo cinematográfico. Ambos são extremamente talentosos nesse tipo de cena, mas o grande responsável pelo feito é Larnell Storvall, o coreógrafo de lutas do Isaac Florentine. Ele e John Hyams já haviam trabalhado juntos no citado DRAGON EYES, que até as cenas de luta são porcarias estragadas pela montagem “mudernosa”. Aqui a coisa é do jeito que deveria ser. Porradaria casca-grossa, sem frescura, old school, não fica nada a dever aos melhores filmes de luta realizados no oriente.

SOLDADO UNIVERSAL 4 é completamente destoante do resto da série, o que neste caso é algo interessante de se ver. No entanto, é bem provável que esse seja o motivo pelo qual muita gente venha detestando, esperando algo no mesmo estilo do terceiro, mais voltado para a ação. É compreensível. Não que este aqui não seja voltado para a ação, mas o faz de maneira insólita, experimental, estilizada, visualmente pictórica. A ação do clímax final é um exemplo perfeito disso, é como se Hyams tomasse consciência de que precisava fazer um filme de ação que fosse uma contribuição artística. Na minha opinião, conseguiu.

24 comentários:

  1. Fiquei com vontade de assistir. O problema é que nunca assisti o soldado universal original e nem as sequências.

    Tocando no assunto lançamentos, tem assistido alguma coisa aí em portugal? conferiu os infratores? Achei um filmaço, melhor que The Proposition.

    ResponderExcluir
  2. Marcelo, faça uma sessão com todos os filmes. Vai ser uma tortura o segundo, mas vai se divertir com os outros.

    Sobre os lançamentos daqui, como comentei no textinho de SELVAGENS, o circuito não tem muita diferença. Tenho assistido bastante coisa e vou fazer um texto sobre o que tenho visto. Devo assistir a Os Infratores neste fim de semana, mas acho muito difícil ser melhor que A Proposta.

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pela menção, cara. Bela resenha. Você acertou em cheio: Day of Reckoning é um dos raros casos em que vejo um filme desagradar a muita gente por não ser prosaico: o público espera um filme de ação convencional e acaba topando com "Arte com A Maiúsculo". E, ao contrário do que geralmente ocorre nesses casos, em momento algum fiquei com a impressão de que o Hyams estava sendo pretensioso - o cara realmente concebeu um filme fodástico e levou a cabo a idéia. Putz, não gosto de imitar, mas vou ter que postar sobre esse filme também - fiquei empolgado quando vi o filme e teu post me deixou empolgado mais uma vez.

    ResponderExcluir
  4. Hahaha... O último comentário não pegou muito bem. Fez teu post parecer um Viagra cinematográfico.

    ResponderExcluir
  5. Hahahaha! Ainda assim, valeu pelas palavras. E acho que você deveria mesmo escrever sobre o filme, até porque a experiência de assistí-lo fez com que criasse uma nova classificação de subgênero. O que não é pouco.

    ResponderExcluir
  6. J. Verneti07/11/12 14:47

    Estou curioso quanto a esta abordagem surreal/amalucada do filme, preciso assistir logo.
    O Regeneration junto com Rambo 4 e Os Mercenários 2 reacenderam a chama do cinema de ação oitentista.
    E por falar em Mercenários, Ronald gostaria de saber qual seria seu "elenco dos sonhos" para o terceiro filme ou quem sabe até propor uma enquete sobre o assunto no blog.
    Abraços;

    ResponderExcluir
  7. Eu tenho muitas ganas de ver isto. Talvez este fim-de-semana consiga fazê-lo.

    Fiquei ainda mais entusiasmado por ler a tua opinião tão positiva, também fiquei muito despontado com o "Dragon eyes", é bom saber que o sacana se redimiu.

    E Adkins deverá protagonizar uma sequela de "Ninja", a ver vamos se este menino não rouba de vez o lugar dos duros do cinema de 80/90.

    --
    Pedro Pereira

    http://por-um-punhado-de-euros.blogspot.com
    http://destilo-odio.tumblr.com/

    ResponderExcluir
  8. Gostei de algumas cenas de ação (como o "falso plano sequência" no final), mas não gostei da história e achei o filme qualquer nota. Aliás, nem tenho certeza se ENTENDI a história. No fim, fiquei com a impressão de que o roteiro foi escrito para uma aventura independente, mas resolveram "encaixá-lo" na franquia Soldado Universal, o que não deu muito certo. E não gostei do que fizeram com Lundgren e Van Damme. Ainda acho que o John Hyams tem muito o que aprender (o próprio Soldado Universal 3 tem várias cenas boas perdidas num roteiro caótico e desconexo).

    ResponderExcluir
  9. O roteiro não é grandes coisas, mas eu nem penso nisso na hora de ver um filme como esse... mas não achei confuso. Não sei se o filme funcionaria como projeto independente, tem muitos elementos da série ali, mesmo que o resultado não "encaixe" de maneira orgânica. E, como disse, que não vai agradar todo mundo. Mas, gostei das cenas de ação, gostei da honesta "pretensão" artística, e embarcei na viagem.

    ResponderExcluir
  10. Verneti, vou tentar pensar no meu elenco dos sonhos para Os Mercenários. :-)

    ResponderExcluir
  11. PERRONE, se você não achou confuso, então vamos ver se tem as respostas para essas perguntas que me afligiram o tempo inteiro ao longo do filme e que ao final ficaram sem respostas decentes:

    (SPOILERS PARA QUEM NÃO VIU O FILME!!!)

    - Van Damme e Lundgren são mesmo vilões ou acabaram envolvidos numa conspiração que fez o Steve Adkins acreditar que eles eram vilões e matá-los?

    - Como Van Damme e Lundgren acabaram lutando "lado a lado" depois de serem inimigos nas partes 1 e 3?

    - Qual era, afinal, o plano dos cientistas naquela ilha, e o que o Van Damme tinha a ver com eles (era líder, capanga, cobaia... o quê?)?

    - Qual é o lance com o Adkins 1 (que é morto)? Ele era uma pessoa ou mais um clone criado para matar Van Damme e cia.? Qual a relação dele com aquele mafioso do frigorífico e com o envio do maquinário esperado pelos cientistas na ilha, se a missão dele era acabar com a operação na ilha?

    - O cara do FBI que está por trás do plano para mandar o Van Damme manda "acordar o encanador". O encanador acorda e sai "hipnotizado" para matar os Soldados Universais no puteiro. O Lundgren injeta um negócio dele para que ele mude de lado. Sendo assim, por que o cara passa o restante do filme atacando o Adkins, que também é um "Soldado Universal"?

    Enfim, eu acho sim que o roteiro tem pouco ou nada a ver com os outros Soldados Universais, ele trata mais de clonagem do que de ressurreição de soldados mortos, como os anteriores. Aliás, acho que nem usam o termo "Soldado Universal". Isso de certa forma explicaria como os personagens do Lundgren e do Van Damme ficaram tão perdidos e descaracterizados. Quando tiver tempo livre eu pesquisarei sobre isso.

    ResponderExcluir
  12. Vou fazer o seguinte. Até tenho algumas respostas (nenhuma verdade absoluta, apenas algumas coisas que eu acho), mas estou com preguiça. Vou dormir, amanhã respondo as minhas teorias sobre SOLDADO UNIVERSAL 4. :)

    ResponderExcluir
  13. Vamos lá, Felipe. :)

    SPOILERS PARA QUEM NÃO VIU:

    PERGUNTAS 1, 2, 3
    Vou responder as TRÊS primeiras perguntas de uma só vez: Van Damme é visto agora como um “Deus” para esses unisoldiers. É o único sobrevivente de TODOS os filmes, portanto não é um clone, e agora tem libertado as mentes dos unisoldiers das amarras do governo (aplicando aquela dose de não sei o que) e formado um exército para se vingar. O Lundgren, obviamente um clone, ao invés de enfrentá-lo como no filme anterior, foi “libertado” pelo Van damme. Então, eu NÃO enxergo Van Damme, Dolph e o resto do grupo unisoldiers como vilões, e sim envolvidos numa conspiração que faz o Adkins acreditar que eles são vilões. Os cientístas não tem plano algum, apenas simpatizam com a ideologia do Van Damme, de libertar a mente dos clones unisoldiers.

    PERGUNTA 4

    O Adkins 1 é um clone, assim como o outro, só que mais fraco. Ele mesmo diz que fizeram esse novo mais poderoso. Ele era controlado pelo governo, como qualquer outro clone unisoldier, que foi “acordado” para matar o Van Damme pelo governo. Quando ele o encontrou, Van Damme fez o seu trabalho. Libertou a mente do Adkins 1, que passou a trabalhar para o Van Damme, fazendo os tais carregamentos. Ele explica tudo isso na cena da cabana. A relação dele com o sujeito to frigorífico é puramente profissional. Só que esse cara resolveu xeretar e acabou espancado e daquele jeito.

    PERGUNTA 5
    A princípio, o encanador não ataca o Adkins. Ele injeta aquela dose nele e espera pra ver o que acontece. Mas a coisa não funciona, e o Adkins parte pra cima dele, mas é logo segurado pelos seguranças do bar e o colocam pra fora. Tem uma cena que mostra bem isso, no banheiro onde Adkins ao invés de ver o seu reflexo no espelho, vê o Van Damme, que lhe puxa, lhe chamando. É como se a dose injetada tivesse fazendo efeito, mas a “dose de lembranças familiares” que o Adkins possui não deixa fazê-lo passar para o outro lado. Tanto que logo aparece a visão da filha dele sendo assassinada pelo Van Damme. Portanto, o encanador resolve eliminá-lo. Tem uma cena também na base, depois do encanador lutar contra um sujeito que tomou a bebida, o Van Damme aparece e eu entendi que Van Damme lhe passa a missão de matar o Adkins, porque logo em seguir acontece a perseguição de carros.

    Ainda acho que não é um roteiro confuso... É problemático, sem dúvidas, talvez "difícil" para um filme de ação. Ou talvez eu que não faça tanta análise detalhada como você faz, hehe. Eu preciso começar a fazer isso. Ainda sou guiado muito pela emoção e não sei se isso é bom ou ruim.

    E pode ser que o filme tivesse mais sentido como um filme de clone independente mesmo, mas analisando cronolicamente, este quarto filme se encaixa muito bem à série.

    ResponderExcluir
  14. PERRONE, eu mais ou menos pensei nisso tudo também, mas você não acha que a proposta do negócio é meio frustrante? (SPOILERS) Porque o filme inteiro é sobre um "herói" enganado por uma organização para matar um vilão que, na verdade, não é vilão, mas sim o herói dos outros três "Soldado Universal". E ele realmente o mata!!! Então, o que vemos é a história de um pau mandado que faz uma puta cagada, mas no fim continua sendo tratado como o "herói" do filme! Corajoso? Provavelmente. Mas se o Stallone fizer "Rambo 5" e transformar o personagem em travesti também será corajoso, o que não quer dizer que isso seja BOM. Quando você pára pra pensar em "Soldado Universal 4" e chega a essa conclusão, de que tudo foi um joguete e o "herói" cumpriu a missão como um capacho e fez a maior cagada matando todos os verdadeiros heróis, não tem como não ficar MUITO puto! hahahaha.

    ResponderExcluir
  15. Leandro Caraça08/11/12 15:55

    Ainda bem que não vi o "Dragon Eyes". Vou baixar o "Reckoning" e ver em sessão dupla com o "Killer Joe".

    ResponderExcluir
  16. FELIPE, pensando por esse lado, é frustrante sim, especialmente pra nós que acompanhamos a "saga" desde o início... Mas sei lá, eu relevo certas coisas, toco o fada-se e embarco na ideia, caso o filme seja bem feito, com boas cenas de ação. Digamos, que eu tenha a mente aberta pra esse tipo de coisa. Pegando seu proprio exemplo e vai que queiram transformar agora o Rambo em travesti. Se o for um filme bem feito em todos os sentidos, com puta atuação do Sly como travecão, por que não? Os filmes originais estão lá pra serem revisitados... mas eu entendo perfeitamente o que quer dizer.

    ResponderExcluir
  17. LEANDRO, não sei se é boa ideia. KILLER JOE é bem superior... é outro nivel. :-)

    ResponderExcluir
  18. Killer joe é obra-prima.

    ResponderExcluir
  19. Caralho, o 4 não tem nada a ver. O 3 é tipo "está aqui a sequencia foda" e o 4 é apenas "vamos brincar mais". Peter Hyams era fotógrafo no outro, largou o filho no Dragon Eyes, filme não fez bem de jeito algum para a carreira do homem, tem uns maneirismos idiotas aqui ainda mas no Dragon Eyes era exagerado de ruim. Sem mise en scene não dá, acho que ele percebeu que tava caminhando errado, e deu uns passos bem dados para trás, sem a mesma ambientação/climão, agora a ideia trabalhada é loucaça, não sei como mas gostei do filme.

    ResponderExcluir
  20. Lembrando que no 3 Van Damme sai correndo no fim para algum lugar. Há mesmo uma lacuna enorme até Lundgren e ele se enturmarem, mas achei surtado para o lado bom. Para todas as respostas, Adkins é soldado como os dois mas que foi o único desenvolvido a ponto de quebrar os limites com essa coisa dos sentimentos e tal, o que é bem besta e vai para um lado totalmente contrário, o que inevitavelmente acaba deixando Van Damme e Lundgren um pouco de lado, mas como já dito também, corajoso. Pode ser que por trás de tudo também tenha alguma relação/metáfora com eles estarem ficando velhos, passando o bastão, os soldados lá no fim todos fazendo reverência ao "novo líder".

    ResponderExcluir
  21. Quando comecei a rever os filmes do Van Damme, aluguei o Soldado origianl e as sequências, não tinha gostado do primeiro quando foi lançado lá pelos anos 90 e continuo não gostando, o segundo senti vergonha de ter assistido, como pode um cara descer tão no fundo do poço para fazer uma tosqueira daquela, mas o terceiro esse sim é um grande filme, ótimo, neste final de semana vou alugá-lo de novo junto com o quarto...

    ResponderExcluir
  22. Soldado Universal 4 é um filmaço, eu concordo com as opiniões de Felipe M. Guerra e Ronald Perrone, Soldado Universal 4 tem um roteiro confuso e uma história que deixa muitas dúvidas e que foge muito aos filmes anteriores da série, mas também é um puta filme de ação, com sequencias foderosas de pancadaria, um filme que, apesar de ser louco e alucinado, merece respeito

    ResponderExcluir