Pular para o conteúdo principal

THE MISSION (1999)

Eu sempre tive na minha cabeça que EXILADOS, de 2006, fosse uma continuação de THE MISSION, devo ter lido isso em algum lugar ou alguém me falou nessas discussões de cinema nas internets da vida. Nada melhor que conferir para poder afirmar que, na verdade, os filmes não possuem ligação, a não ser o fato de ambos terem os mesmos atores, o mesmo universo do crime envolvendo a Tríade e, o mais importante, é que são dois exemplares bons pra burro dirigidos pelo mestre Johnnie To (embora EXILADOS seja melhor)!

THE MISSION é um thriller de ação construído com a precisão típica de To. Após milagrosamente sair com vida de uma emboscada realizada por um grupo rival desconhecido, um chefão da Tríade e seu irmão (Simon Yam) decidem recrutar alguns pistoleiros aposentados como guarda-costas. São várias figuras improváveis, que só sabemos que darão conta do recado porque já os vimos em ação em outros filmes.


Temos um cabelereiro (encarnado por ninguém menos que Anthony Wong), um cafetão, um barman, um gordinho que adora amendoim, e por aí vai… É praticamente o mesmo time de EXILADOS, por isso a confusão que alguns fazem taxando-o de continuação. E apesar da atual ocupação de cada um, essa turma não brinca em serviço. E sob as câmeras de Johnnie To, algumas sequências de ação se transformam em belas exibições de coreografia. Não tão expressionistas quanto as de EXILADOS, SPARROW ou VENGEANCE, cujas cenas de tensão parecem números musicais, mas aqui já chama a atenção pela forma única na qual Johnnie To filma tiroteios.



A sequência acima, que transcorre dentro de um shopping vazio, demonstra claramente isso. É como se o tiroteio não precisasse dos tiros. Apenas os sujeitos se movimentando nos enquadramentos ou esperando o momento certo de atirar, enquanto To dá uma aula de edição, movimentação de câmeras e mise-en-scène, são suficientes para aumentar a adrenalina do espectador. Tudo isso embalado numa trilha sonora de sintetizadores que deixa tudo ainda mais interessante.


E apesar dessa maestria toda em desenvolver cenas de ação, a prova final de que To é um dos grandes gênios nessa arte de fazer filmes é na singela cena em que os cinco guarda-costas estão esperando o chefe do lado de fora da sala de reunião, no escritório, e começam a brincar de chutar uma bolinha de papel. Até os mais carrancudos chutam de volta quando a bolinha pára perto dos seus pés. Até que o chefe aparece e, subitamente, eles desaparecem com a bolinha! É de uma naturalidade tocante, a desglamurização do capanga da máfia, desses momentos que colocam Johnnie To acima da grande maioria no cinema atual.

E THE MISSION tem apenas 95 minutos de duração, mas podia ter duas horas e meia que não faria diferença, é uma delícia de se ver… já o novo BATMAN… putz.

Comentários

  1. Filmaço. Bateu vontade de rever.

    ResponderExcluir
  2. E eu preciso ver mais filmes do To.

    ResponderExcluir
  3. Tô tentando baixar esse filme, mas tem muito poucos seeds, tá demorando muito...

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …