Pular para o conteúdo principal

DRAGON EYES (2012)

Mas o que é isso, meus amigos? Um dos filmes de ação que eu mais aguardava para este ano foi simplesmente transformado em lixo cinematográfico! Estou impressionado com a quantidade de besteira que acabei de assistir… Logo eu, que sou tolerante até demais com as porcarias pintam por aqui. DRAGON EYES foi realizado por várias pessoas que, até o momento, eu julgava confiáveis, mas a falta de bom senso é revoltante!

Primeiramente, DRAGON EYES estava sendo anunciado mais como um filme do Van Damme do que qualquer outra coisa. Mas algumas notícias surgiram e o trailer veio para confirmar que o baixinho belga seria coadjuvante. Até aí tudo bem, não tem problema, afinal o trailer prometia ótimas sequências de ação e bastante pancadaria, justamente os elementos que me faziam ter certeza de que, ao menos, teriamos diversão garantida por aqui.

No entanto, fui enganado lá pelas tantas, quando percebi que todas as poucas cenas de luta que foram surgindo durante o filme eram extremamente curtas, montadas com exagerados efeitos de edição “muderninhos” e não tinha nenhuma expectativa de que esse quadro fosse mudar até o fim. Mas e o resto do filme? Um papo furado sem fim, com uma trama desinteressante, ridiculamente embolada, pagando de "Guy Ritchie style", misturado com artes marciais e… Akira Kurosawa/Sergio Leone. Sem contar o excesso de personagens que vão brotando, sendo apresentados com a imagem congelada e o nome do sujeito na tela... E há tanta coisa absurda acontecendo, umas situações sem sentido e mal explicadas, uns clichês utilizados da pior maneira possível, chega a dar enjôo…



A trama? Uma espécie bem tosca de YOJIMBO, do Kurosawa (ou POR UM PUNHADO DE DÓLARES, do Leone, já que o protagonista aparece usando um poncho igual ao do Clint), só que ao invés de samurais temos gangues urbanas estereotipadas: Os latinos, os niggas mothefuckers, os russos e um policial corrupto pertencente à máfia italiana, interpretado pelo sempre competente Peter Weller. O personagem central é um oriental que sabe artes marciais. E o Van Damme entra nessa história apenas em flashbacks como mentor do herói, na época em que os dois estavam presos.




O lutador de MMA Cung Le, que… “interpreta” (se é que podemos chamar assim) o protagonista, é algo constrangedor. Sem qualquer carisma, faz o Steve Austin parecer um ator shakespereano. O cara mal consegue mover a sobrancelha e deve ter menos falas que o Chuck Norris em O VÔO DO DRAGÃO. E isso incomoda. Muito. Já o Van Damme, coitado, seu esforço não vale de nada. Até se apresenta em cena muito bem, mas seu personagem é péssimamente aproveitado. O único que pelo menos passa a impressão de estar se divertindo é o Peter Weller, que aparece bem mais do que eu esperava. Quando o sujeito se encontra em cena dá até um alívio em meio a tortura que é assistir a DRAGON EYES. Não fosse Weller (e uns peitos que aparecem numa cena), eu acho que teria desistido…


Voltando a falar das cenas de luta - que eu já reclamei ali em cima - não são tão ruins assim se você for parar para analisar as encenações. Os atores mandam muito bem nos golpes e movimentos, influenciados pelo MMA (até porque muitos lutadores aparecem por aqui), você percebe que tem gente competente trabalhando neste departamento. O que estraga mesmo é a forma como o material é apresentado ao público, depois de passar pela linha de edição e tucharem de efeitos… Isso sem falar no contexto que as lutas aparecem, já que a trama meia boca não ajuda em nada.



Não dá para acreditar que o responsável por essa bomba seja o mesmo sujeito que fez SOLDADO UNIVERSAL: REGENERATION, John Hyams, um dos diretores mais promissores do gênero, na minha opinião. Conseguiu trazer de volta o universo do filme de 92, dirigido Roland Emmerich, num exemplar de ação de baixo orçamento, mas cheio de criatividade e ainda tivemos o prazer de ver JCVD enfrentando Dolph Lundgren novamente. Bom, Hyams era um dos mais promissores, agora já não sei de mais nada depois de DRAGON EYES e estou até com medo do que deve sair do seu próximo trabalho, o hiper aguardado, mas agora com o pé atrás, SOLDADO UNIVERSAL 4.

Comentários

  1. Tão ruim assim, romald?
    Só pde ser culpa da edição mesmo,por que eu gostei da presença do Cung Le em Pandorum, pois o cara luta pra caramba.
    Agora até perdi o interesse em assistir esse Dragon Eyes.
    E aprovitando o tema sobre artes marciais, o que você acha dos filmes do Tony Jaa
    Grande abraço;

    ResponderExcluir
  2. Do Tony Jaa eu só vi a trilogia ONG BAK. O primeiro é muito bom, os outros dois, horríveis! :-D

    ResponderExcluir
  3. Puta merda, que tristeza!!!! Baixei esse filme ontem, tava louco pra ver, mas depois de ler o teu review nem vou perder tempo!!! Que merda!!! Tô realmente triste!!!
    P.S.: Tony Jaa é o cara!!!

    ResponderExcluir
  4. Deprimente, Herax...Se eu fosse você, assistiria só pra riscar da lista mais um filme do Van Damme. Mas se realmente não quiser perder tempo, pode descartar.

    ResponderExcluir
  5. Já eu considero o ONG BAK 2 um ótimo filme.

    ResponderExcluir
  6. eu gosto do Ong Bak 2 e 3, ambos tem toneladas de problemas, mas ainda assim são bons... agora imperdoável é o Ronald nunca ter assistido TOM YUM GOONG!!!

    ResponderExcluir
  7. Esse eu já tenho aqui! Vou ver! :-D

    ResponderExcluir
  8. Bah q decepção...o jeito é esperar q MERCENARIOS 2 e o novo do Dolph

    ResponderExcluir
  9. Vi hj, facilmente um dos piores filmes com Van Damme.

    O Robocop salva o filme do desastre total.

    Uma mistureba do crioulo doido.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …