Pular para o conteúdo principal

DOSE DUPLA DE HORROR BRITÂNICO

A MULHER DE PRETO, The Woman in Black (2012)

Nunca fui chegado na badalada série de fantasia HARRY POTTER, por isso acho que A MULHER DE PRETO é uma bem vinda oportunidade para o ator Daniel Radcliffe diversificar e demonstrar seu talento em outros tipos de personagens. O cara é bom ator! E esse filme também é danado de bom. Trata-se de uma co-produção da Hammer, famosa produtora especializada em filmes de horror e sci-fi nos anos 50 e 60, tendo Peter Cushing e Christopher Lee como ícones do gênero, e que desde 2008 voltou ao trabalho.

Dirigido pelo jovem James Watkins (do ótimo EDEN LAKE), A MULHER DE PRETO tem roteiro simples, todo bem amarrado, fotografia bem elaborada e carregada, sequências de um horror mais puro, clássico, que investe mais no clima angustiante e atmosférico que o estilo mansão assombrada pode proporcionar do que nos sustinhos vagabundos do gênero na atualidade, apesar do filme apelar para uns sustos de vez em quando. Ninguém é perfeito… Sergio Leone, talvez.

A história é sobre um jovem advogado viúvo enviado, no início do século passado, a um pequeno vilarejo no interior da Inglaterra para cuidar da papelada de uma velha mansão deixada por uma cliente falecida recentemente. A coisa esquenta quando as crianças do local começam a cometer suicídio e o mocinho resolve meter o nariz no caso e descobrir os enigmas que relacionam as mortes com a velha mansão. Grande parte do filme, então, se constrói através deste confronto entre Radcliffe, em desempenho seguro, com os mistérios escondidos na mansão, com um lantente clima de horror. O desfecho é o melhor possível, “corajoso” eu diria, levando em consideração que não deverá agradar o grande público. Nada absurdamente fora do comum, mas os fãs do bom horror não deveriam deixar de dar uma conferida.

E a Hammer já anunciou que está preparando uma continuação.

KILL LIST (2011)

Agora, o filme que realmente me pegou de jeito foi KILL LIST, um belíssimo exemplar de ousadia artística dentro do gênero. Ainda é muito cedo pra tanto e muita coisa deve rolar, mas até o momento é o grande filme de 2012, na minha opinião, sem dúvida alguma. Um exercício de autoria surpreendente e radical, brutal até o talo, realizado por um diretor que até então era desconhecido pra mim: Ben Wheatley (é o segundo longa do sujeito, se não estou enganado).

KILL LIST é um troço muito sinistro que inicia como um pesado e realista drama familiar. Lá pelas tantas se transforma num bizarro thriller de assassinos contratados e finaliza como um…bem, não vou contar pra não estragar a surpresa. Aliás, eu já estou “spoilando” demais! É daqueles exemplares que deve ser visto com o mínimo possível de informação.

Mas posso dizer que a narrativa é carregada de elementos misteriosos que deixam o público indagado, com a cabeça coçando, até os últimos minutos de projeção. E também que o filme é todo conduzido com uma crua e virtuosa noção de dramaturgia, maravilhoso trabalho de atores, sequências de violência explícita que fazem pouca concessão ao espectador de estômago fraco. A cena que um dos protagonistas utiliza um martelo é um deleite para os fãs de cinema extremo. Nada que já não tenhamos visto antes, o filme também não é nenhuma obra prima, mas me impressionou bastante por sua simplicidade, eficiência e originalidade na maneira como constrói um thriller aterrador e extremamente violento!

Comentários

  1. Kill list é tenso.
    Assisti ano passado ainda. Brutal pra caramba mesmo.

    ResponderExcluir
  2. Quem viu pode lembrar muito de um outro filme britânico; "O espantalho", espero não estar revelando muito, mas é um baita filme mesmo, sem concessões.

    ResponderExcluir
  3. Só pra constar o meu comentário se refere ao filme "Kill list".

    ResponderExcluir
  4. "Kill List" é também para mim o grande thriller de horror do ano. Faz algun tempo que escrevi sobre ele: http://cinemaexmachina.wordpress.com/2012/01/10/kill-list/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …