Pular para o conteúdo principal

LE CHOIX DES ARMES (1981), de Alain Corneau



Outro dia morreu também Alain Corneau e os fãs do cinema policial francês ficaram mais tristes. Não estou ainda nessa categoria. Quem me conhece sabe que eu sou fanático por filme policial, mas assisti a poucos exemplares do chamado cinema “polar” pra me considerar um fã, sou no máximo um admirador do gênero, mas um dia eu chego lá. Vi LES CHOIX DES ARMES em homenagem a Corneau, pra ver o que acontecia, e descobri um mestre, autêntico herdeiro de Jean Pierre Melville! Isso fica evidente logo nas primeiras imagens, quando o filme estabelece um ritmo cadenciado, com longos planos e ação anti-climática, e no decorrer da narrativa preocupa-se em expor o lado sentimental de personagens que compõem o submundo do crime francês.

A trama gira em torno de Mickey (Gerard Depardieu), que foge da prisão deixando um rastro de corpos e começa a importunar a vida de Noel (Yves Montand), um ex-gangster que agora vive tranquilamente em sua fazenda, cuidando de suas éguas, inclusive Nicole (Catherine Deneuve), sua esposa. Além disso, temos a incapacitada polícia no desenrolar das investigações para colocar o fugitivo de volta atrás das grades.

Gerard Depardieu está deliciosamente insano e inconsequente. É um sujeito que perdeu completamente seu lugar na sociedade e tudo que resta de seus atos é a mais pura violência. Mesmo a tentativa de aproximação da filha pequena resulta em um inconveniente sequestro, embora seja um dos momentos mais tocantes do filme, na cena da praia. Quem leva a pior é o personagem de Yves Montand - também em uma atuação brilhante com uma cara gelada, um Buster Keaton trágico sem o cômico - que precisa descer ao mundo do crime novamente para resolver a sua situação com Mickey. Deneuve está linda como sempre…

Corneau faz cinema de qualidade com uma direção seca que trabalha somente o essencial de planos, cortes e movimentos de câmera sutis, sem nenhuma firula, do jeito que tem de ser. Tem sequências ótimas como a fuga do início e uma perseguição de carro no meio do filme, toda coreografada e muito bem arquitetada. Até os acordes da trilha sonora são bem simples e entram apenas nos momentos inusitados. A fotografia acinzentada serve perfeitamente à atmosfera, que tem aquele climão de cinema noir… Grande filme! Diria até que obrigatório para quem deseja conhecer o cinema policial feito na França.

Alain Corneau

R.I.P
1943 - 2010

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …