8.9.13

O ANO DO DRAGÃO (Year of the Dragon, 1985)


Fui intimado por um fiel leitor, que se apresenta apenas como Jorge, a escrever sobre O ANO DO DRAGÃO, do Michael Cimino. Então cá estamos. Só havia assistido uma única vez há muitos anos e desde então ficara marcado na minha memória como um dos grandes exemplares do gênero policial dos anos 80. Revisitei-o esta semana e me descobri diante de algo muito maior, uma obra cinematográfica poderosíssima em todos os sentidos possíveis. Já imaginava que isso fosse acontecer. O cinema de Cimino é grande e, numa revisão, O ANO DO DRAGÃO só poderia resultar em mais de duas horas de encantamento cinéfilo. Quem ainda tem dúvidas de que Cimino foi (ou "é", já que não morreu ainda, embora não realize um longa há quase vinte anos) um dos maiores cineastas americanos da história precisa olhar seu trabalho mais de perto...


A excelência do roteiro do próprio Cimino (em parceria com Oliver Stone) em O ANO DO DRAGÃO é inegável e possui muito do repertório temático presente na carreira do homem, como a América traumatizada pela tragédia que foi o Vietnã, a obsessão precisa por celebrações, o cuidado nos mínimos detalhes com os personagens, por exemplo, o protagonista, o capitão da polícia Stanley White, encarnado por Mickey Rourke. Um ex-combatente do Vietnã que transforma as ruas de Chinatown num autêntico campo de guerra contra a máfia chinesa. O papel foi oferecido para Nick Nolte e Jeff Bridges, mas após assistir a THE POPE OF GREENWICH VILLAGE, Cimino achou o ator perfeito para seu filme.

E é realmente difícil enxergar outro sujeito no lugar de Rourke, que conseguiu compor um retrato complexo e expressivo para o seu personagem. Um herói com profundas convicções em relação ao seu trabalho, mas bruto no trato com a bandidagem, capaz de ultrapassar os limites da ética profissional quando a missão é prender meliantes, além de ser um tremendo canalha com as pessoas ao seu redor. Não tenho receio em dizer que se trata do grande desempenho da carreira de Rourke. O elenco ainda tem John Lone, como a principal pedra no sapato do protagonista, Victor Wong, Raymond J. Barry e Ariane, uma modelo de traços orientais que tentou virar atriz... Ela é fraca, mas sua atuação não compromete. Alguns anos depois tentou novamente e apareceu em O REI DE NOVA YORK (90), do Abel Ferrara.


O ANO DO DRAGÃO é o primeiro filme de Cimino após o fiasco comercial de O PORTAL DO PARAÍSO, que resultou na falência da produtora United Artists, mas que gerou uma das mais impressionantes obras primas que o cinema foi capaz de criar. Aparentemente, este aqui possui pretensões mais modestas, preso às convenções do gênero policial, mas acompanhar o desenrolar da trama e a evolução do personagem de Rourke é contemplar a visão de mundo de um artista subestimado, mas simplesmente genial, e sua fascinação pela técnica cinematográfica, mantendo o filme num nível de qualidade altíssimo. Basta ao espectador ficar observando a composição dos inúmeros planos, a gestão dos espaços cênicos e a maneira virtuosa como Cimino movimenta a câmera durante todo o filme para ficar hipnotizado, além de se ter a medida exata do talento sobrepujante do último dos mavericks. Nisso inclui, claro, belas e violentas sequências de ação. Ainda prefiro VIVER E MORRER EM LA, de William Friedkin, como o grande filme policial daquele período. Mas O ANO DO DRAGÃO é um páreo duríssimo e não fica muito atrás.

11 comentários:

  1. O Ano do Dragão é um ótimo filme. Eu o assisti há anos e ainda me lembro de várias cenas.

    Rafael

    ResponderExcluir
  2. Esses dias assisti a quase todos os filmes do Cimino e percebi duas marcas registradas do cinema do diretor: a paixão em filmar paisagens e o exagero estilizado nas cenas de ação. Exemplo: um bandido sendo incessantemente metralhado na melhor cena do filme Horas de Desespero (1990). Vai aí o meu humilde Top do diretor:

    1)O franco atirador
    2)O portal do paraíso
    3)O ano do dragão
    4)O último golpe
    5) Horas de desespero

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu top é diferente nas duas primeiras posições. O PORTAL DO PARAÍSO é o meu favorito do homem. Também não vi O SICILIANO e THE SUNCHASER ainda.

      Excluir
    2. Vale lembrar que praticamente o filme inteiro foi rodado em estúdio, o que só o deixa ainda mais belo e impressionante na mente de quem o assistiu.

      Excluir
  3. Para mim O policial dos anos 80 é mesmo 'O ano do dragão'. É um filmaço.

    ResponderExcluir
  4. Bruce Torres10/09/13 14:08

    Recentemente o Cimino colaborou na restauração de "O Portal do Paraíso", que foi relançado pela Janus Films/Criterion. É uma pena ele não ter muito desde então.

    ResponderExcluir
  5. Inspirado pela sua postagem revi esse filme. Caramba, o personagem principal é praticamente um alter ego do que dizem ser o Cimino: Egoísta, arrogante, um verdadeiro FDP, mas o melhor no que faz!!

    P.S. Alguém além de mim acha que todas as cenas depois da ponta foram empurradas pela goela pelos produtores? Distoam muito do resto do filme...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois da ponta? Não entendi... rs

      Excluir
    2. Depois da ponte dos trens. Maldita dependência do corretor ortográfico...

      Excluir
    3. Ah sim...hehe! Bem, eu acho que deve ser do Cimino mesmo, ele sempre procura prestar homenagens aos grandes mestres (como Visconti, por exemplo) e visualmente todo aquele final faz referência ao final de VIAGEM À ITALIA, do Roberto Rossellini. Pode até desentoar (eu particularmente não acho isso), mas não acredito que seja imposição do estúdio.

      Excluir
  6. Já exaltei esse filme um dia aqui: http://olhargratuito.wordpress.com/2010/03/09/o-ano-do-dragao/ Realemente uma pérola!

    ResponderExcluir