Pular para o conteúdo principal

THE LAST NEIGHBORHOOD IN TOWN

Comentários

  1. pelo seus ultimos posts, acho que você anda assistindo bastante filmes do stone, correto?

    Eu também ... este ano assisti salvador e u turn, e ainda revi platoon.

    Ele tem alguns filmes ruins, polêmicos, mas que sempre envolventes.

    ResponderExcluir
  2. Mais ou menos... hehe! Na verdade, só assisti SEIZURE e TALK RADIO mesmo. Mas mais pela falta de tempo, porque tô querendo ver e rever alguns dele sim. Vou rever, talvez hoje, A MÃO. Preciso ver NASCIDO EM 4 DE JULHO, JFK, NIXON e outros que nunca vi, como alguns mais recentes.

    SALVADOR é disparado o meu favorito dele. Sem firulas, quando ainda era diretor mais preocupado com a imagem, na mesma linha de PLATOON, que gosto muito e esse TALK RADIO, que achei excelente! Um dos melhores filmes dele. Mas até que gosto de algumas putarias visuais dele, como U TURN. Não pelas putarias, claro, mas pela história contada. O ASSASSINOS POR NATUREZA é que não gostei na época que vi, em VHS, nos anos 90. Precisava rever pra saber como se sai hoje. THE DOORS também... só que este eu gostei na época. E ainda tem UM DOMINGO QUALQUER que achei sensacional na altura que assisti e hoje já não faço ideia do que acharia... enfim, o Stone tá bem longe de ser um dos meus diretores de cabeceira, mas tenho sempre interesse.

    ResponderExcluir
  3. Também sempre tenho interesse nos filmes que ele faz. Também gosto muito de Platoon e Salvador. Mas ao contrário de você, eu não gostei de SELVAGENS, acho que a maionese desandou na metade do roteiro.
    É uma pena porque quando está inspirado o Stalone é um roteirista maneiro também né hehehe. É só olharmos para ANO DO DRAGÃO e SCARFACE.

    ResponderExcluir
  4. E não esqueça que ele escreveu CONAN - O BÁRBARO também! :-)

    ResponderExcluir
  5. Mano, tu nunca viu JFK? Pare o que está fazendo e vá ver agora, Perry. Em minha humilde... eh, porra eu não tenho nada de humilde... em minha opinião, é a obra-prima do Stone. O negócio é uma aula de cinema (apesar de discordar da visão romântica que ele tem do Kennedy).

    ResponderExcluir
  6. Pois é, meu caro Kurt. Ainda não vi JFK. Mas depois dessa intimção, acho que vou colocar na frente de THE HAND na fila... assisto hoje!

    ResponderExcluir
  7. Mas antes, vou terminar de ver (pela primeira vez) WILD BILL, do Walter Hill. Por enquanto, tá excelente!

    ResponderExcluir
  8. Pronto, acabei de ver WILD BILL. Filme lindo! Grande atuação do Jeff Bridges... um dos melhores westerns dos anos 90.

    Agora, vamos ao JFK do Stone...

    ResponderExcluir
  9. Wild Bill realmente é fantástico, com um Jeff Bridges badass. O Hill fez uma trinca de westerns excelentes e subestimados na década de 90 (os outros dois são "Gerônimo" e "Last Man Standing", que é um western disfarçado de filme de gangster).

    ResponderExcluir
  10. Sobre o JFK, vou repetir aqui o que falei com o Daniel Vargas no facebook: Não gostei tanto quanto SALVADOR ou TALK RADIO, mas gostei bastante. A edição, fotografia, parte técnica em geral, é uma das mais brilhantes da carreira do Stone. E o elenco é sensacional, várias figuras que eu não sabia que estavam por aqui. Algumas cenas são antológicas, como a que o Costner e o outro cara reconstituem o assassinato da janela. Já vale o filme inteiro.

    No entanto, aí vem a parte que na minha opinião poderia ser melhor trabalhada. O Stone romantiza demais as coisas (não só o Kennedy), torna o filme falso e exagerado em alguns momentos, no sentido de que poderia tratar algumas questões com mais crueza (não o filme inteiro, se não eu não aguentava ver. Acontece de vez em quando). Eu sei que vcs vão querer me matar, mas que venham as pedras: fico imaginando que nas mãos de um Michael Mann teria saído uma obra prima!

    De qualquer maneira, é muito bom, envolvente, e que exige do espectador... poderoso.

    ResponderExcluir
  11. Vi o JFK este ano por acaso, e fiquei com a ideia que o Stone tentou meter demasiado "romance" ao filme.. Mas não consigo ver outro realizador a fazer o filme.. nem mesmo Michael Mann :)

    ResponderExcluir
  12. Perrone, considero JFK, como já disse, o melhor filme do cara, mas concordo com muitas de suas críticas. Incomoda a maneira como ele tenta meter suas manias pessoais na história (como aquela furada teoria de que "se ele não tivesse sido assassinado, a guerra do Vietnã não teria ocorrido"); a maneira como ele faz o Garrison parecer uma figura heróica (eu, particularmente, acho que boa parte da motivação dele, na vida real, foi aparecer - e com sucesso pois ele acabou se tornando juiz da Suprema Corte da Louisiana); e coloca informações que, na vida real, o promotor não tinha como saber (como o relato do X). E, claro, a maneira como ele endeusa o personagem-título é estapafúrdia (em minha opinião, o Nixon, corrupto e escroto como era, fex muito mais pela integração racial e pela aproximação e diálogo entre o ocidente e o bloque soviético do que qualquer outro presidente). Analisando friamente, aliás, sou forçado a concordar com o júri no final do filme - ficou demonstrado que houve uma conspiração, mas não que o Clay Shaw fez parte dela (em minha opinião, foi uma coisa muito mais tosca e caótica, como o James Ellroy retrata em "Tablóide Americano"). Por outro lado, o elenco, edição, fotografia... puta que o pariu, já vi o filmes umas vinte vezes e ele nunca perde minha atenção. Se for analisado apenas como "ficção histórica" (que é como prefiro ver "JFK") do que "retrato fidedigno da realidade", não há como não considerar o filme fodástico.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

OS BÁRBAROS (The Barbarians, 1987)

Daquela listinha de filmes de fantasia, Sword and Sorcerer, que eu postei outro dia, um dos exemplares que causou mais alvoroço foi OS BARBAROS. Alguns amigos acharam engraçado por eu ter lembrado desse filme que passou milhares de vezes no Cinema em Casa do SBT. E como estamos falando de um trabalho do italiano Ruggero Deodato, nada melhor que ressaltar como era bom ter doze anos e poder conferir às tardes da TV brasileira nos anos 90 um filme com bastante sangue, membros decepados e peitos de fora. Algo impossível para um moleque atualmente, que tem de se contentar com os filmes de animais falantes que empesteiam diariamente a programação… Neste fim de ano, meus votos de um grande pau no c@#$% do politicamente correto.

De todo modo, OS BÁRBAROS é uma porcaria. Fui rever essa semana para escrever para o blog e, putz, acreditem, é a coisa mais ridícula do mundo. Ainda bem que já sou vacinado contra tralhas desse tipo e encontro tantos elementos engraçados que fica impossível não sair…

O IMBATÍVEL (Undisputed, 2002)/O LUTADOR (Undisputed 2: Last Man Standing, 2006)

No útlimo fim de semana procurei outros filmes recentes do Michael Jai White para vê-lo distribuindo porrada em meliantes como em BLOOD AND BONE e BLACK DYNAMITE. Me deparei com UNDISPUTED 2, continuação de um filme dirigido pelo Walter Hill em 2002 e que, por pura negligência da minha parte, ainda não havia assistido. Enfim, foi uma experiência interessante, além de poder ver um ótimo filme de luta estrelado pelo Jai White ainda tirei o atraso com o filme Hill, que é obrigatório para os fãs do sujeito.

Ambos os filmes se passam em prisões e envolvem lutas “profissionais” entre os encarcerados, mas o resultado de cada é bem diferente um do outro. UNDISPUTED é puro Walter Hill! Cinema classudo, sério, focado em personagens bem talhados e com direção extremamente segura. Temos Wesley Snipes na pele de Monroe Hutchen, campeão de boxe de Sweetwater, uma prisão de segurança máxima que promove legalmente lutas entre presos. Ving Rhames é George Iceman Chambers, o campeão mundial dos pesos …

OS IRMÃOS KICKBOXERS, aka BLOOD BROTHERS (1990)

Também conhecido como NO RETREAT, NO SURRENDER 3 em alguns países. Não é tão espetacular quanto o segundo, mas é um veículo divertidíssimo que serve de vitrine para que Loren Avedon e Keith Vitali (os irmãos do título) demonstrem suas habilidades em artes marciais em sequências alucinantes de pancadaria! Até hoje me lembro quando eu era um moleque de oito ou nove anos pegando a fita da Top Tape na locadora com meu irmão mais novo. Passamos o fim de semana inteiro assistindo repetidas vezes este que foi o meu primeiro “kickboxer movie”.


Na trama, os dois personagens não vão muito com a cara do outro. Avedon é um professor de kickboxer que dirige um fusca, enquanto Vitali ganha a vida como policial respeitado, seguindo os passos de seu pai. Ambos lutam pra cacete! Para resumir o enredo, uma tragédia na família acontece (leia-se alguém é assassinado) e acaba sendo o motivo de reaproximação dos irmãos, que deixam as diferenças de lado e juntam forças para fazer exatamente aquilo que se …